Visitantes:

AmazingCounters.com

Rescaldo da Rota do Zêzere GR 33


RESCALDO DA AVENTURA DA Grande ROTA DO ZÊZERE EM BTT



1 Dia: (Covilhã até Valhelhas): 53 Kms/8 Horas- Partimos na Lizete (carrinha do Sport Club Benafim) pelas 19 horas de Terça - FEIRA, onde colocamos as 5 bikes e mochilas para nossa aventura em Autonomia total com destino a estação desativada de Constância, situada na Praia do Ribatejo. Perto da Meia noite estávamos na
estação a montar a tenda, uns a dormir na lizete e outros no chão somente com uma esteira, devido ao intenso calor.
     Acordamos as 6 ao som da malta a chegar a estação para apanhar o comboio, levantamos, comemos algo, tirar material da Lizete para levar no comboio até Covilhã. As 8 colocamos tudo no comboio e fomos para estação da Covilhã. As 11 estávamos a montar as bikes na Covilhã e
sempre a subir durante 5 horas até a Serra da Estrela com intenso calor e na companhia de um ciclista Fernando de Sintra que encontramos na estação da Covilhã e queria ir para Manteigas, acompanhou a malta nesta maldita subida de 5 horas direcçao ao pico da Serra da Estrela com um calor infernal.
     Neste dia fizemos 53 kms em 8 horas. Malditas subidas, hoje estamos pernoitar junto ao rio em Valhelhas depois de Manteigas, dormimos com as estrelas com alguns imprevistos a meio da noite, tivemos ke mudar de sitio eheheheheheh, Adoramos Covões d"metade, onde nasce o rio Zêzere.... lindooo...



2 Dia: Valhelhas até Dornelas do Zêzere 81 kms. Maldito calor e subidas quase mataram a malta,apanhamos poucas praias fluviais. Neste dia ofereceram uma caixa de cereja para malta carregar baterias.... o interior tem destas coisas :-).... passamos  pela minas da Panasqueira ( de Cabeço de Pião) numa paisagem completamente estranha, por um trilho perigoso, de um lado o rio no outro um monte de terra e com admirável paisagem.........ao final do dia, estávamos a procura de lugar p pernoitar em Dornelas do Zezere, completamente
exaustos, procurando sitio para montar a tenda no mato e nada....sem soluções a vista fomos ao café perguntar.... e lá foi o elemento do grupo c melhor aparência e c isa falar c presidente de junta p saber a possibilidade de disponibilizar um espaço p acampar....arranjou um salão, com cozinha equipada e um balnear :—), belo duche, há dois dias a tomar duche no rio..... é engraçado quando cheguei a Dornelas do Zêzere, olhei p ponte e disse: Já estive aqui, e falando com presidente junta confirmei, pois passa por ali a famosa Rota das Aldeias Históricas que fiz com meu tio Horácio de Bike, onde apanhei também grandes empenosss rssssss....





3 Dia, Dornelas Zêzere até Madeirã: 62 kms aiiiiiiiiiiii calorrrr arrasador,suar a fio, percurso é belo mas c este tempo quase morremos e bebemos imensa agua quente, parecia chã....passamos por imensas praias fluviais, agua friaaaa rsss... hj ao final do dia paramos num cafê em Madeira para pedir permissão para acampar algures e qual o nosso espanto quando nos oferecem novamente casa na povoa, localidade a 2 kms.......tal como ontem a noite pernoitamos numa casa na Madeirã, Póvoa 5 estrelas, sem
conhecerem a malta receberam.nos  de braços abertos onde jantamos e tivemos adega por nossa onde  adega, upsss.... onde Montei  a minha cama :—).Povo  do interior é acolhedor, falamos também com instrutor de Ioga e disse que também daria casa caso nós nao tivéssemos sitio p dormir...... Jantamos, e cedo acordamos.... p pedalarr .....


4 Dia. Madeirã a Foz de Alge 45 kms: Acordamos as 4.40 cedo pedalar, calor, rampas que tínhamos ser dois a puxar atrelado e uma parte tivemos tirar o atrelado da bike e fazer escalada em cima de rochas a seguir de Pedrógão pequeno, foi desgastante, calor intenso...continuamos e a uma hora ja estavamos cansadissimos,  tentamos chegar a Dornes mas não conseguimos mt calor, 2 quedas, 3 furos........esta rota c atrelado, é p esquecer aiiiiii​ enfim... tentamos encontrar um café, fugimos da rota mas tivemos voltar p trás p apanhar novamente a Rota, passamos um mau bocado nesta fase, pois havia elementos que queriam parar, mas continuamos lentamente com muitas paragens, esta foi das piores fases da nossa aventura .... quando chegamos a Foz de Alge, paramos e comemos uma sandes e completamente de rastos, fomos para o parque campismo de Foz de Alge, com vento forte e trovoada..e cinzas... pelas 19 ficou totalmente de noite devido ao intenso fumo e cinzas, onde tomamos conhecimento do falecimento de 64 pessoas no incendio em Pedrogão onde tivemos na parte da manha :-(.
5 Dia: Foz do Alge- Contãncia: Neste dia pedalamos uns 70 Kms     até Dornes pela Gr 33 mas depois  sempre por estrada, devido aos incêndios e aos cortes na estrada. Acordamos as 4.40 com as bikes cheias de cinza e cedo começamos a pedalar pela Grande Rota do Zêzere até Dornes,Vila Lendária cercada pelo Zêzere, depois rumamos direção barragem de castelo Bode onde tomamos a decisão de ir sempre por alcatrao até a Lizete que esta na Praia do Ribatejo em Constância, onde almoçamos e regressamos ao Algarves,


Rescaldo da Gr 33:
Esta Aventura foi demasiado difícil, um percurso bastante agressivo, e para agravar tivemos azar na altura que fomos pois apanhamos dias com temperatura elevada rondando os 40 graus, e foi neste fim semana que deu-se a grande tragédia de Pedrogão, passamos lá na parte da manha e o incendio foi na parte da tarde onde apanhamos imenso fumo e cinzas. Esta Rota tem de ser feita com mais dias, Rota que começa onde o rio Zêzere Nasce em Covão d Metade na serra da Estrela e vai até Constância onde se encontra com o rio Tejo. Esta Rota tem paisagens lindas mas com extrema dificuldade.... O Grupo foi 5 estrela, apesar dos contratempos e das dificuldades tivemos sempre todos unidos e nem uma discussão, foi um grupo 5 Estrelas (Deni Vargues, Hélio Neto; Manuel Duarte; Isa Patrício e Ângelo Marques). Muito Obrigado por mais uma loucura realizada em grande ambiente de camaradagem, e quanto as dificuldades, só mesmo os elementos que passaram por este sacrifício eheheheh OBRIGADOOO

Kal a próxima Aventura?

   
     Qual a Próxima Aventura? Estamos a preparar a próxima Aventura com casa as costas, pernoitando no mato, e desta vez será com a bicicleta de BTT e atrelado com panelas, tenda, pratos, saco cama etc.... vamos percorrer os 370 kms com inicio no vale Glaciar da Serra da estrela a nascente do rio Zêzere  até a Foz em Constância (onde se encontra com o rio Tejo) durante 5/ 6 dias.... Os elementos convocados para esta Aventura, foram elementos do Fona Fona Team, Hélio Neto, Isa e Angelo iremos percorrer a GRZ-Grande Rota do Zêzere (Gr 33) passando pelas Aldeias de Xisto.



Os 370 Km de extensão da GRZ percorrem 13 concelhos e unem importantes marcas nacionais: Serra da Estrela, Aldeias do Xisto, Castelo de Bode e Rio Tejo. O percurso foi inaugurado em 215 e projetado para ser multimodal, podendo ser feito a pé, de bicicleta ou de canoa. Assim, pode realizar-se de forma contínua e encadeada, por troços ou mesmo em  circuitos multimodais, recorrendo a mais do que uma disciplina. Para este aspeto contribui o caráter inovador das 13 Estações Intermodais existentes ao longo do percurso.

Realização Sonho EVEREST 2017


Rescaldo Everest 2017: Esta foi provavelmente a caminhada da minha vida, caminhar com meu ídolo (João Garcia) durante duas  semanas e meia até 5600 metros no Everest, num mundo, numa cultura, num povo, numa forma de vida completamente diferente do nosso, com poucas condições, sem tomar duche, um clima frio, gelo, neve, com muitas mudanças de temperatura e o pior de tudo falta de Oxigênio, qualquer caminhada parecia que estava a correr ao Sprint, e durante a noite acordava com falta de ar, enfim....



Quanto alimentação enjoei, pois foi uma alimentação a base de  arroz, batatas  e ovos e legumes cozidos e muito chaaaaaaaaaa. Conforme fomos subindo de altitude, cada vez mais o oxigênio era escasso, mais a malta se cansava, qualquer caminhada e já estávamos arfar rsssssss.....Durante duas semanas, sem carros, sem motorizadas andando sempre em trilhos onde os carros e motorizadas eram substituídos por imensos Sherpas e Carregadores, que estamos constantemente a cruzar, transportavam tudo para as pequenas localidades durante dias, os kms eram medidos em dias, mas o pior mesmo era a idade, muitos miúdos da partir dos 12 anos a carregar com tudo as costas, o que me deixou um pouco chocado nos primeiros dias. Tive algumas dificuldades habituar-me alimentação, pois comíamos imenso arroz, e batatas acompanhado sp com legumes... quanto ao pequeno almoço era sempre aveia (Enjoei). Quanto a Higiene passei duas semanas sem tomar duche, ou melhor, nessas duas semanas  lavei o corpo na ribeira com agua gelada e sp a cantar p distrair rssssss....Algo que admirei neste pais, foi a dedicação ao Budismo, por todo lado vemos as Bandeiras de Oração, Templos, Pedras com Orações e Kanis Budistas, todas as pessoas se cumprimentam com Namastê, e durante esse tempo nao vi nenhuma discussão nem stress, um povo extremamente calmo e sereno apesar do stress dos trilhos, onde temos constantemente parar p dar prioridade aos carregadores. Quanto ao nosso Amigo João Garcia, estava constantemente preocupado com o grupo, com aclimatação, com nível de oxigênio de cada um, sempre atento aos sintomas da doença da montanha, procurando saber se alguém estava esconder algum sintoma e sempre acompanhar a medicação que a malta estava a tomar p dor cabeça e diarreia. Todos os dias, duas vezes por dia,  o João Garcia media o nível de Oxigênio e a pulsação de todos os elementos, antes do jantar e de manha antes do pequeno almoço. Estava sempre preocupado com o que a malta ingeria, nada de álcool, nada de bebidas com gás, nada de legumes crus, tinha que estar tudo cozido e os copos bem enxaguados, receio que alguém fica-se contaminado com alguma bactéria e nao pudesse seguir com o resto do grupo.
Aki vai o resumo das nossas Etapas onde transcrevi alguns post do Face:


1 & 2 Dia
     Foram dois dias de viagem onde estive imenso tempo no aeroporto de Lisboa (onde dormi), Inglaterra e Índia.. Depois de Chegar ao Nepal, Katmandu...tratei do Visa, 40 euros para ficar 17 dias, depois fomos para Hotel Manaslu para conhecer o resto do grupo e ter com João Garcia onde jantamos e convivemos. Neste primeiro dia tive terríveis dores de cabeça, talvez o corpo adaptar-se ao meio ambiente.

 


         3 Dia
      Foi o nosso primeiro dia de Caminhada: 10 Kms em 3 Horas de Lulka até Phakding (264mts) depois de aterrar no quarto aeroporto mais perigoso do mundo onde a pista é pequena, com grande desnível e  acaba com um paredão iolll.  Depois de aterrar distribuímos os sacos pelos Sherpas e carregadores, cada um poderia entregar ao Sherpa no máximo 10 Kilos, quanto ao restante tínhamos ser nós a levar as costas. Neste Primeiro dia passamos por varias pontes suspensas e Kanis Budistas.
4 Dia
     Phakding- Nanche Bazzar (3450 Mts): Este foi  nosso segundo dia fizemos mais 10,5 kms de Phakding até Manche Bazar (3450 metros),capital do Vale Khumbo, capital Sherpa.  Sempre caminhando  devagar Devagarinho, por trilhos com muita pedra, sobe e desce com kanis budistas,  c rodas de oração budistas, pontes suspensas lindo, mas o que me choca um pouco é que ao longo do trilho estamos sempre  a cruzar com sherpass, (carregadores) de todas as idades  transportando todo tipo de material as costas, grandes carregamentos miúdos c 12,13, .....anos :-( :-(.

    5Trecking no Everest, foi dia de aclimatação em Namche Bazar que está a 3440 metros, subimos kumjung aos 4050 metros e voltamos novamente para Aldeia Sherpa, Namche Bazar caminhamos 13,5 kms em 7 horas sempre com nevoeiro e pequenos chuviscos, fomos visitar a Escola de Hillary( primeiro homem chegar ao pico do Everest), visitamos hospital de Khunde. Visitamos pequeno monumento em memória do primeiro Sherpa que subiu pico do Everest Tensing Norgay Sherpass subiu com Hillary. Nosso líder João Garcia foi espetacular parando imensas vezes e contando a suas histórias de vida :-). Em relação aclimatação está correr bem pois vamos devagarinho. Passamos por imensas Mani Walls,  bandeiras budistas com orações  por todos cantos.
6 Dia
     Trecking pelo Everest: Neste dia andamos 8 horas c paragens, 16 kms de Namche Bazar até Pangboche até 3870 metros, visitamos mosteiro budista de Tengboche passamos por  ponte suspensa Himalaia.
7 Dia
   No sétimo  dia foi dia de aclimatação, fizemos uma subida ate Base Campo Base d do Ama Dablam a 4600 metros,  onde tentamos ficar mais tempo possível, fizemos picnic/ lanche p o corpo habituar a altitude e voltamos novamente p baixo. Aqui as condições são poucas, tudo o que chega aqui tem ke ser carregado as costas durante dias.
8 Dia
     Pangboche até Periche 10 kms, em 6 hrs: entramos no famoso vale do Khumbo, subimos quase aos 4700 e voltamos p Periche. A esta altitude estamos sempre cansados, falta o ar, o mesmo se passou ontem a noite comigo mas nosso líder João Garcia todos os dias de manhã e ao final do dia mede a pulsação e o nível de  oxigênio de cada um para ver como estamos a reagir a altitude..... Esta noite estamos em Periche, temperatura igual ao frigorífico ou  melhor ao congelador aai....estamos no fim do mundo.....
9 Dia
 Periche até Lobuche: 9 kms mais 4 a tarde p aclimatação que frio, maldito frigorífico, levo 4 camadas de roupa e ui, ui, principalmente de manha e ao final do dia, p não falar de noite, hoje caminhamos sempre aos 4000 metros e ao meio da tarde fomos aos 5000 e regressamos 4 mil e pouco. Aiiiii acima dos 4000 mil quase não consigo cantar, nem tocar a corneta, ando sempre a arfar aiii. O grupo anda sp c receio das dores de cabeça e a diarreia, estamos sp a desinfetar as mãos...amanha vamos atacar o ponto mais altoooo, Kalapattar (5600).
10 Dia
 Conseguimos !!!!!! Lobuche até kalapattar 5600 metros: 15 kms, 8.30 min. Hj acordei c dor de cabeça e corpo mole, mas felizmente passou ao longo da manha, com frio de rachar e 4 camadas de roupa lá fomos sempre subindo, c mts paragens ate 5600 metros, respiração sempre alta, sentindo zombie ate aos 5600 metros dps voltamos p Lobuche, com vento e neve. Um muito obrigado ao nosso líder João Garcia pelo telefonema pelo aniversário do shreck por satélite em Gorap, perto C.b Everest. Hj foi dia desgastante....amanha será dia calmo p  recuperar......aki tempo custa passar e frio de rachar, deito me c roupa da caminhada dentro do saco cama, maldito frigorífico, agua esta congelada.. Namastê..
11 Dia
 Lobuche até Dzong La (4543 met):    7 kms em 2 horas e meia,este dia foi de poucos kms, de recuperação, carregar baterias, com muito friooo  Tempo  instável, nesta manhã​ a garrafa de água ao meu lado estava congelada,em pedra rsss....
12 Dia
    Dzong la até Cho La (5400) até Gokyo, 15 kms, 8 hrs e meia foi um dia para passar o Glaciar  do Evereste pernoitamos em Gokyo junto a um lago glaciar c frio de rachar e c poucas condições. Nos últimos dias temos tido uma nova companhia, um pequeno cão preto :—)....alguns elementos c dores cabeça e c diarreia, meu único problema é falta de ar a meio da noite mas é normal, esta altitude andamos sp c falta de ar e dores de cabeça.... estamos isolado do mundo.... ta quaseeee.... Namaste....
13 Dia
     Gokyo até Gokyo Ri e ainda Dole: 18 kms , 7 hrs e meia. De manha subimos até Goykio Ri,k e subidaaaaaaaaaaaa rssssssssssssssssssssss, dps descemos com companhia de muita neve e fomos debaixo de uma tempestade de neve ate Dole. O Grupo aguentou esta terrível tempestade de neve, eu fui nomeado pelo nosso chefe João Garcia o  Sherpa Algarvio do Grupo :—). Tenho tocado pouco a minha corneta  nâo consigo por causa do frio, no entanto ainda consigo cantar um pouco fico logo escalfado :-(- É tao estranho estar duas semanas sem ouvir motorizadas nem carros, há duas semanas caminhando em caminhos de cabras, passando por pequenos aglomerados de casas onde carregar a luz um telefone tem ke se pagar 4 euros por uma hora, td aqui é mt escasso....nosso grupo é constituído por um Brasileiro, um Luso/ Francês e 8 portugueses. Temos 3 Carregadores e dois sherpas que nos acompanham, um deles vai sempre rezando pelo grupo e outro sherpa esta sp comigo no fim a tirar fotos, é um povo que admiro profundamente... Taaaa quaseee......
14 Dia
     Dole até Namche Bazar 13 kms em 5:15 min. Neste dia descemos até Namche Bazar, capital  povo Sherpa (3446 metros), durante a tarde descansamos...Neste canto do mundo, todos se cumprimentam com Namastê, em vez de um bom dia, boa noite ou boa tarde, um povo Pacífico onde o Budismo está em todo lado, bandeiras de oração, rodas de oração, ao longo dos trilhos imensas pedras pintadas ou gravadas c oração onde temos que passar sempre pelo lado esquerdo..... conforme vamos descendo vê se mais carregadores, sherpas....Neste dia fui nomeado pelo grupo para angariar gorjetas p distribuir pelos Sherpas e carregadores....vamos descendo vamos também tirando camadas de roupaaaa.... taaa quaseeeee....Namastê :—)
15 Dia
     Namche Bazar até Lukla 20 kms em 7:40 min...neste dia continuamos a descer até Lukla, foi nosso ultimo dia de caminhada, bem puxado, onde encontramos imensos Sherpas, carregadores, burros e Yaks, difícil circular por estes trilhos estreitos, cheios de pedra, passamos por imensas pontes suspensas que nos assustam pela altitude e vento forte..Nesta noite dormi numa tenda, obrigado amigo João Garcia :—)...
16 Dia
     Iniciamos o dia com o voo no quarto aeroporto mais perigoso do mundo, (Aeroporto de Lukla com pista torta e com paredão no fim) voo até capital do Nepal onde descansamos e caminhamos até final do dia, onde quase todas pessoas andam c máscaras por causa do pó e poluição....
17 Dia
      Neste dia fomos conhecer melhor Katmandu e o ke nos marcou mais foi o crematório, junto ao rio, onde queimam as pessoas a céu aberto, e atiram as cinzas p rio, onde as crianças brincam na água, tudo isto se passa frente de todos de forma natural.......dias seguintes foi  regresso de Avião, viva nosso Algarve..... ai ke saudades deste calorrr...
RESUMO
EVEREST 2017:  Kaminhada de uma vida, esta foi provavelmente a caminhada da minha vida onde contatei um mundo completamente diferente do nosso, cultura, povo, condições de vida. Durante duas  semanas e meia vivi com condições mínimas, sem tomar duche,  com déficit de oxigênio, acordando a meio da noite com falta de ar enfim....... De realçar o excelente Grupo que tive sorte em fazer parte e pelo meu Ídolo João Garcia uma aventura para recordar para o resto dos meus dias :-). Brevemente farei um post com o rescaldo deste Sonho :-). Namastê :-).

Entrevista sobre Aventura do Evereste com João Garcia

http://algarveinforhttp://algarveinformativo.blogspot.pt/2017/04/deni-vargues-um-contabilista-conquista.htmlmativo.blogspot.pt/2017/04/deni-vargues-um-contabilista-conquista.html

Faltam 14 Dias p Everest

Conto os dias, intensifico os treinos com a mascara de Oxigénio, para me habituar aos treinos em Altitude para evitar a doença da Montanha que ataka a partir dos 2400 metros, unicos sintomas sao dores de cabeça, tonturas, sintomas da ressaca ehehhe, se isso acontecer em dois dias seguidos terei de fazer uma pausa p fazer aclimatizaçao, nao irei forçar pois sei que poderá ter consequencias graves, esta doença acontece essencialmente em grupos organizados, onde existe um programa predefinido onde os caminheiros tendem a esconder estes sintomas para conseguirem realizar o programa até ao fim, enfim, espero ke isso nao aconteça. Vou andar sempre acima dos 2500 metros, subindo lentamente até 5600, onde estara a minima de -25 graus e maxima - 12 graus aiiiiiii, Vamos Ver!!!!!

Conclusão da Via Algarviana a pé

Obrigado!!!!!!! Faltam 15 dias para o Everest e este foi o meu último grande treino. Com a Caminhada Expedição de 63 kms de Messines até Monchique,pela Via Algarviana, com um grupo dos Escalfadinhos marafados, sobe, sobe,e mais subidas passando pela picota e finalizando em Monchique com mochila pesadita.Com esta caminhada acabei de concluir o percurso a pé de toda a via Algarviana em 2017, de Alcoutim até Cabo São Vicente... Muito obrigado pela vossa companhia, este ano malta estava bem preparada, conseguimos chegar cedo ao nosso destino. Foi um excelente treino p próxima aventura do Everest, onde meu receio é doença da montanha, falta de oxigénio a partir dos 2400 metros, mas..... Vai tudo correr bem... Obrigado pelo pela força e companhia malvadosss....Agora é contagem decrescente 😉😉😉

Kaminhada/ Retiro pela Via Algarviana

    

Durante 4 intensos dias, caminhei sozinho ou melhor quase sozinho os 136 Kms entre Alcoutim e Benafim com casa as costas, pois os primeiros 40 kms tive a companhia de um cão (Alcoutim) :-(- , pernoitando em Lugares Mágicos, gostei imenso de chegar ao final do dia, e começar a procurar o melhor sitio para Pernoitar, aquele sitio onde  houvesse algo ke chama-se por mim.......:-). Quando caminhamos sozinhos, parece tudo mais intenso, os pensamentos, sensações, os dias são mais longos e as noites também, repararmos mais nos pormenores, estamos mais atentos as pessoas, elas  metem-se com os caminheiros Solitários, se fosse acompanhado, já nao seria assim....Quando caminhamos sozinhos podemos parar naqueles sitios especiais, observar, ver o tempo a passar, dormir uma siesta, temos liberdade totallllll, mas temos uma desvantagem..... nao haver partilha daqueles momentos especiais :-(....Guardo na lembrança pequenos episódios desta caminhada: Cão Alcoutim; Os sítios Mágicos onde pernoitei; Um outro Algarve esquecido no Tempo; Os malditos Javalis que fizeram-me desmontar a tenda a noite e tive colocar tudo em sacos e fazer uma subida de terra de 2 kms e ficar pernoitar numa paragem de autocarros antes de Castelões). Nestas caminhadas / Retiro também encontramos algumas respostas para nossa Vida Pessoal, algumas mais corretas ke outras, mas sao tomadas pequenas decisões  que alteram os caminhos, os trilhos que seguimos ao longo da vida, enfim........quando caminhamos temos tempo para tudo, e uma simples maça tem um sabor tao especial, até própria comida parece tem um sabor mais intenso...iolll... Bom caminho para todos, Saudações Escalfadinhas :-).

Kaminhada em Autonomia Total pela Via Algarviana

Uma semana depois dos 50 kms do Transalgibre, Caminhada Solitária com casa as Costas (Tenda, Panelas, Saco cama etc...) pela Via Algarviana entre Alcoutim e Salir em autonomia Total isolado do Mundo.. Vai ser o meu retiro Espiritual iolll. Dia 25 de Fevereiro , Sábado madrugada meu amigo Mário Gonçalves Quintavai deixar-me em Alcoutim e terei quatro dias para chegar a Salir, se não desistir a meio eheheheh. Vão ser quatro dias de retiro, isolado do mundo, encontrando poucas pessoas, irei passar por Alcoutim, Balurcos, Furnazinhas,Vaqueiros, Cachopo, Barranco Velho e finalmente Salir em autonomia Total, onde irei acampar a meio das Etapas, no meio do mato para ser possível realizar estas 6 Etapas da Via Algarviana em quatro Dias. Mais um bom treino para Treck do Everest que terá inicio no dia 19 Abril. Vamos ver como vai decorrer estes quatro dias, pois não estou habituado a caminhar sozinho durante tanto tempo, 4 dias, mas...... sinto essa necessidade enfim.....Saudações Escalfadinhas & Bom Carnavallllll :-). Quintas vai deixar-me em Alcoutim e terei quatro dias para chegar a Salir, se não desistir a meio eheheheh. Vão ser quatro dias de retiro, isolado do mundo, encontrando poucas pessoas, irei passar por Alcoutim, Balurcos, Furnazinhas,Vaqueiros, Cachopo, Barranco Velho e finalmente Salir em autonomia Total, onde irei acampar a meio das Etapas, no meio do mato para ser possível realizar estas 6 Etapas da Via Algarviana em quatro Dias. Mais um bom treino para Treck do Everest que terá inicio no dia 19 Abril. Vamos ver como vai decorrer estes quatro dias, pois não estou habituado a caminhar sozinho durante tanto tempo, 4 dias, mas...... sinto essa necessidade enfim....Nesta caminhada vou fazer algo que não se deve fazer, estrear umas botas e despedir me da minha mochila que já me acompanhou.em inúmeras aventuras.Saudações Escalfadinhas & Bom Carnavallllll :-).

1 Mergulho/ Banho Quarteira 2017


1 Mergulho / Banho Quarteira 2017

 
     Este ano realizamos pela terceira vez consecutiva o 1 Banho Mergulho do Ano e mais uma vez foi batido novamente o recorde de presenças  com a presença de 56 Corajosos que estão destacados um a um neste pequeno vídeo. Mais importante que a  forte adesão e moldura humana que presenciou este evento é manter esta tradição.  Muito obrigado companheiros.